Às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, dirigentes do Partido Verde reuniram-se para trocar ideias a respeito do que esperam e o que levarão para enriquecer a discussão sobre economia verde. A expectativa dos verdes para a Conferência é de que ela seja  início de uma nova fase, na qual o conceito de governança se torne global e a Rio+20 cumpra o que está sendo proposto, que é desbloquear os grandes obstáculos para uma economia sustentável, buscando a integração dos três pilares: o ambiental, o econômico e o social.

Com um discurso pela defesa da natureza, o Coordenador Nacional de Políticas Indígenas do PV, Álvaro Tukano, também deu sua colaboração durante a reunião dos verdes e falou do carinho que seus companheiros têm na maneira de lidar com a natureza, que pode ser considerado um exemplo para a sociedade mundial que irá participar da Rio+20. “Somos povos antigos e temos uma visão diferente de cuidar da natureza, temos respeito por ela”, finalizou Álvaro.

Um dos pontos centrais do documento que será levado para Rio+20 aborda a questão da mudança nos padrões de consumo. De acordo com o documento, à medida em que os países em desenvolvimento incorporam uma classe média consomem mais, deve-se atentar para que os padrões atuais de consumo dos países desenvolvidos não sejam mantido, senão o Planeta não irá aguentar.

Segundo Aspásia Camargo (PV-RJ) outro assunto que não deve deixar de ser debatido na Conferência é a questão da descarbonização da economia (carbono zero) baseada em quatro critérios: universalidade do saneamento básico, construção civil verde, transporte de massas e infraestrutura verde. Tais pontos que impactam diretamente o Produto Interno Bruto e que segundo Aspásia, são quatro questões que podem reverter a crise da economia mundial.

A incorporação do PIB Verde foi outro tema amplamente debatido na reunião, uma vez que simboliza grande mudança integrada à economia verde, incorporando a utilização de recursos naturais como fator de produção. E por isso o Partido Verde acredita, há mais de 20 anos, que a economia verde é capaz de valorizar os ecossistemas.

Temas como a erradicação da pobreza, com prioridade zero para África, redução das desigualdades sociais e mudanças climáticas também serão encaminhados pelos verdes.

Além disso, Roberto Rocco (PV-RJ) chamou atenção para a continuidade do trabalho de mobilização da sociedade para as questões debatidas na Conferência. Ele destacou também o papel do PV para as próximas eleições de tanto de 2012 como de 2014: “devemos manter o espírito de mobilização pós-Rio+20 sem esquecer o tema cidades sustentáveis, tema permanente do PV, até porque as eleições municipais vão tratar da cidade que queremos para o nosso futuro”.

O Desafio das Cidades

Por falar em cidades sustentáveis, a Fundação Verde Herbert Daniel promove a mesa-redonda Os Desafios das Cidades, no dia 31 de maio de 2012, no Auditório da OAB-MG (Rua Albita, 260 – Cruzeiro), em Belo Horizonte (MG), às 19h. Sob a moderação de Oswander Valadão,  Secretário Nacional de Cidades, oito candidatos à prefeituras brasileiras irão contribuir para o avanço de discussões relevantes para a qualidade de vida da nossa população, principalmente em ano de eleições municipais.



Comente

Partido Verde - 2011
Desenvolvido pela Secretaria Nacional de Comunicação
Alguns direitos reservados

CLN 107 Bloco C Sala 204 - Asa Norte Brasília/DF - Cep: 70.743-530 Produzido por